→ 【Kalebe Dionisio】Descrubra A Verdade

09 May 2019 12:42
Tags

Back to list of posts

<h1>Nanda Costa: &quot;A Sedu&ccedil;&atilde;o &eacute; Um Jogo Sem Regras&quot;</h1>

[[image http://ecoleyes.com/wp-content/uploads/2016/07/cursos.png&quot;/&gt;

<p>Onze milh&otilde;es dependem da renda de aposentados. Essa manchete do Estad&atilde;o de domingo nos remete de volta &agrave; conversa da reforma previdenci&aacute;ria. Qualquer um da gente tem que tomar localiza&ccedil;&atilde;o contra ou em prol. Faltam, entretanto, dados objetivos pra que a nossa decis&atilde;o seja tomada com crit&eacute;rio. Essa quest&atilde;o dos idosos provedores &eacute; um drama brasileiro que se vem agravando drasticamente gra&ccedil;as a da recess&atilde;o e dos problemas deixados pelos desgovernos petistas. S&atilde;o pessoas que empobreceram efetiva e de forma acelerada, sem que fossem as respons&aacute;veis diretas pela atual ocorr&ecirc;ncia. Cabe ao Estado brasileiro e &agrave; iniciativa privada tomarem medidas diretas e urgentes a fim de que essas pessoas possam reorganizar-se financeiramente e ter uma exist&ecirc;ncia digna, o que &eacute; certo de todos.</p>

<p>Expor que &eacute; um absurdo &eacute; muito insuficiente. Curso Online De Dicas De Casamento Com Certificado realidade, isso &eacute; pura inexist&ecirc;ncia de desgra&ccedil;a pela cara, principalmente por saberem que o n&uacute;mero de brasileiros que vivem em condi&ccedil;&atilde;o de pobreza extrema prontamente atingiu os vinte milh&otilde;es. Amaria de propor aos nobres deputados federais a leitura da reportagem publicada pela edi&ccedil;&atilde;o de ontem sobre a incerteza financeira em Minas. Ali consta que 70% dos munic&iacute;pios do Estado t&ecirc;m menos de 12 1000 habitantes e dependem para sobreviver de verbas repassadas pelo governo estadual. Milhares de criancinhas sem aula por aus&ecirc;ncia de transporte. Sucesso Nos Concursos: Objeto De Apoio O Dia em greve por n&atilde;o receberem sal&aacute;rios. Os Cursos S&atilde;o Reconhecidos Pelo MEC? /p&gt;
</p>
<p>Refor&ccedil;ando a “tese brasileira” de que tudo 0 que est&aacute; insatisfat&oacute;rio ainda poder&aacute; piorar muito, tomamos conhecimento de que est&aacute; sendo discutido projeto que ser&aacute; capaz de elaborar mais trezentos munic&iacute;pios. Que na&ccedil;&atilde;o &eacute; esse? At&eacute; quando suportaremos tanto descaso com a popula&ccedil;&atilde;o? Sem discordar das corretas assertivas do editorial Parlamentares condenados(16/7, A3), permito-me incluir que o reeducando tem que ocupar-se de trabalhos peculiares da pris&atilde;o, como limpeza, artesanato, costura e afins. Socorro a preencher o tempo produtivamente e colabora pela ressocializa&ccedil;&atilde;o do indiv&iacute;duo. Conhe&ccedil;o algu&eacute;m que se ocupou em enrolar cigarros de palha e hoje tem emprego importante por esse ramo. Parece-me surreal o cidad&atilde;o sair da cadeia a fim de construir leis para as pessoas que est&aacute; fora dela cumprir.</p>

<p>Onde est&aacute; o &oacute;timo senso? Pela minha primeira aula de F&iacute;sica pela Institui&ccedil;&atilde;o Polit&eacute;cnica da USP, o saudoso professor dr. Luiz Cintra do Prado falou uma frase que nunca mais esqueci: “Engenharia &eacute; f&iacute;sica mais excelente senso”. Ao longo da minha exist&ecirc;ncia percebi que este princ&iacute;pio se aplica a cada ocupa&ccedil;&atilde;o, n&atilde;o s&oacute; &agrave; engenharia: a compreens&atilde;o sobre isto cada foco precisa a todo o momento ser aplicado com &oacute;timo senso, caso oposto podes carregar preju&iacute;zos e dores de cabe&ccedil;a. Pra exemplificar, analisemos o habeas corpus concedido pelo ministro Marco Aur&eacute;lio Mello, do Supremo Tribunal Federal, ao traficante Leomar Oliveira Barbosa.</p>

<p>&Eacute; muito descontente ver de perto diariamente como nossa amada cidade est&aacute; abandonada. O lixo, de todo tipo, j&aacute; faz parcela do epis&oacute;dio. Agora o t&uacute;nel sob a Pra&ccedil;a Roosevelt virou moradia dos sem-tudo. N&atilde;o tem mais nem sequer ilumina&ccedil;&atilde;o, por&eacute;m muita gente mora por l&aacute;. Saiu um que nada fez e entrou outro que nada far&aacute;. E a cidade continua, literalmente, &agrave;s moscas. Concretamente, um nem esquentou a cadeira e neste instante foi ainda que, o outro ainda nem ao menos bem se sentou e neste instante foi coordenar a campanha daquele que n&atilde;o decola.</p>

<p>55 bilh&otilde;es com crise e Lava Jato (16/7, B1 e B3). O que &eacute; pior, a maioria dos pol&iacute;ticos que estavam envolvidos em falcatruas est&aacute; livre ou est&atilde;o soltos utilizando tornozeleiras eletr&ocirc;nicas. Quanto aos duzentos mil desempregados na constru&ccedil;&atilde;o civil, a&iacute; neste instante &eacute; outra hist&oacute;ria! Culpar a Opera&ccedil;&atilde;o Lava Jato pela incerteza e na ru&iacute;na da Rep&uacute;blica &eacute; uma deslavada fraude e s&oacute; serve para auxiliar a imagem dos pol&iacute;ticos corruptos e das construtoras corruptas. A batalha contra a corrup&ccedil;&atilde;o est&aacute; apenas come&ccedil;ando e o Brasil necessita enxergar com clareza quem s&atilde;o os mocinhos e os bandidos nessa briga. Creio que mais preciso seria narrar que elas encolheram depois de terem adotado a corrup&ccedil;&atilde;o como pr&aacute;tica empresarial corriqueira.</p>

<p>Precisava de mais estas &uacute;ltimas vota&ccedil;&otilde;es no Congresso para provar que os representantes eleitos n&atilde;o pensam no interesse do cidad&atilde;o ou no interesse nacional, a n&atilde;o ser que sejam seus parentes. E querem ser reeleitos usando o teu dinheiro, reservado no fundo eleitoral ou partid&aacute;rio. E ainda objetivam aumentar os seus vencimentos no Legislativo, no Judici&aacute;rio e no Executivo no pr&oacute;ximo mandato! &Eacute; nisto que oferece o mau exemplo! Assistiu-se pela &uacute;ltima semana que antecedeu ao recesso do Congresso uma amostra inequ&iacute;voca da cabal prova de falta de respeito de diversos daqueles que ocupam as tuas duas casas.</p>

<p>Os interesses eleitorais fizeram com que abandonassem os compromissos pra com o pa&iacute;s. Sessenta bilh&otilde;es. A imprensa cumpre com sucesso o seu papel de bem dizer atos, a&ccedil;&otilde;es e seus respectivos autores. De imediato realizou as duas primeiras etapas, falta terceira. T&ecirc;m que ser publicados os nomes dos autores destas indecorosas propostas do mesmo jeito que os dos que as apoiaram, dando pois que subs&iacute;dios pra que os eleitores tenham condi&ccedil;&otilde;es de selecionar acertadamente seus candidatos pra casas legislativas. 38,5 mensais, beneficiando assim como os senadores da Rep&uacute;blica. &Eacute; um abuso essa pretens&atilde;o, visto que sabemos que as condi&ccedil;&otilde;es de nossa economia n&atilde;o permitem aumentos de gastos. Sabemos que o Congresso Nacional &eacute; uma entidade car&iacute;ssima que consome muito dinheiro.</p>

<ul>

<li>WhatsApp Compartilhe este postagem com WhatsApp</li>

<li>cinco Futebol 5.Um Treinadores</li>

<li>dez conselhos &uacute;teis para se fazer uma prova</li>

<li>Com que idade o senhor saiu de casa</li>

<li>dois - CONCENTRA&Ccedil;&Atilde;O</li>

<li>7- Cuide de voc&ecirc;</li>

<li>oito Outros esportes 8.Um Remo</li>

</ul>

<p>Estamos cientes de que no instante os parlamentares s&atilde;o muito bem remunerados devido aos altos sal&aacute;rios e benesses de toda maneira que usufruem. 169 bilh&otilde;es. Aumentar gastos de deputados e senadores &eacute; uma iniciativa err&ocirc;nea no instante. S&oacute; no Brasil desejamos olhar um confinado legislando! O que se esperar das nossas leis?</p>

<p>Num estado em que membros da Suprema Corte premiam condenados, n&atilde;o se pode lamentar que o Congresso e senado aprovem Or&ccedil;amentos completamente irrespons&aacute;veis e fisiol&oacute;gicos. Tudo &eacute; beneficiado, por&eacute;m a educa&ccedil;&atilde;o, sa&uacute;de e seguran&ccedil;a. No tempo em que isto o pa&iacute;s ocupa desonroso espa&ccedil;o nos &iacute;ndices de desigualdade social e caminha para al&eacute;m do fundo do po&ccedil;o.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License